Warning: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/filipe5/metalzone.com.br/site/resenhas/materia.php:1) in /home/filipe5/metalzone.com.br/Connections/conn_metalzone.php on line 18

Warning: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/filipe5/metalzone.com.br/site/resenhas/materia.php:1) in /home/filipe5/metalzone.com.br/Connections/conn_metalzone.php on line 22
Metal Zone | Tamuya Thrash Tribe - United - 10/10 - Thrash Metal | Oriunda das terras cariocas surge uma grata revelação para o cenário Thrash/Death nacional: a poderosa Tamuya Thrash Tribe. O quarteto foi criado e | Revista Digital sobre Heavy Metal, Black Metal, Thrash Metal, Death Metal, Rock. Com resenhas de shows, cds, promoções, entrevistas, bandas de garagem, demo-tapes, cds demo.
Selo Generale traz, pela ótica de Ron Wood, os bastidores de uma das bandas mais importantes do mundo.


Dicas de Cds

Arise

The Beautiful New World
(Thrash Metal)
Por: Filipe Souza

Arise
10/10
Ler Resenha

Megadeth

Youthanasia
(Thrash Metal)
Por: Filipe Souza

Megadeth
9,5/10
Ler Resenha

Megadeth

The World Needs A Hero
(Thrash Metal)
Por: Filipe Souza

Megadeth
7/10
Ler Resenha

Sepultura

Revolusongs
(Thrash Metal)
Por: Henrique Linhares

Sepultura
8/10
Ler Resenha

The Black League

Man´s Ruin Revisited
(Thrash Metal)
Por: Filipe Souza

The Black League
8,5/10
Ler Resenha

Slayer

Hell Awaits
(Thrash Metal)
Por: Filipe Souza

Slayer
9/10
Ler Resenha

Megadeth

So Far, So Good, So What
(Thrash Metal)
Por: Filipe Souza

Megadeth
8,5/10
Ler Resenha

Deathraiser

Violent Aggression
(Thrash Metal)
Por: Filipe Souza

Deathraiser
10/10
Ler Resenha

Korzus

Ties Of Blood
(Thrash Metal)
Por: Henrique Linhares

Korzus
10/10
Ler Resenha

Agressor

Victim of Yourself
(Thrash Metal)
Por: Filipe Souza

Agressor
8,5/10
Ler Resenha

Megadeth

Countdown To Extinction
(Thrash Metal)
Por: Filipe Souza

Megadeth
9,5/10
Ler Resenha

Andralls

Breakneck
(Thrash Metal)
Por: Filipe Souza

Andralls
9,5/10
Ler Resenha

Megadeth

Killing is my Business
(Thrash Metal)
Por: Filipe Souza

Megadeth
7,5/10
Ler Resenha

Meshuggah

Catch Thirty Three
(Thrash Metal)
Por: Filipe Souza

Meshuggah
8,5/10
Ler Resenha

Methodic

A Monument to Nothing
(Thrash Metal)
Por: Filipe Souza

Methodic
9/10
Ler Resenha



Metal Zone HomeResenhas de Cds → Tamuya Thrash Tribe - United

Tamuya Thrash Tribe 10/10

Gênero: Thrash Metal
País: Brasil
Versão: Nacional
Tipo: CD
Faixas:
01. Immortal King
02. Agonising and Insufferable
03. 1814
04. Missions
05. Uti Possidetis
06. Tamuya

www.myspace.com/tamuyathrashtribe

PUBLICIDADE Assassin - Breaking the Silence
Videos

Kronos

Colossal Titan Strife




Tamuya Thrash Tribe

United

2011

Por: Filipe Souza (filipe@metalzone.com.br)
Publicado em: 19/05/2014

Oriunda das terras cariocas surge uma grata revelação para o cenário Thrash/Death nacional: a poderosa Tamuya Thrash Tribe. O quarteto foi criado em 2010 e investe na vertente mais moderna do estilo, que lembra bandas consagradas como Amon Amarth, Trivium e Dew-Scented, só para citar alguns, lançou em 2011 seu primeiro EP e já conseguiu refletir seu nome no cenário nacional. O grupo já abriu os shows do Black Label Society em 2013 e Amon Amarth em 2014.

Com guitarras agressivas e sons que lembram uma marcha para guerra o TTT (Tamuya Thrash Tribe) abre o EP com “Immortal King”, que conta a história de Zumbi dos Palmares. Os riffs iniciais da música e o trabalho de bateria são magistrais. O vocalista/guitarrista Luciano Vassan é assombroso em seu desempenho vocal, variando entre o gutural e o mais rasgado.

E mais um show de riffs de guitarras, e com uma sonoridade mais melódica, a segunda faixa “Agonising and Insufferable” é outra imperdível canção. Mais uma vez os solos de guitarra são o ponto alto.

Já “1814” de longe é minha música favorita do EP. A letra versa sobre a crueldade dos navios negreiros e a chegada dos escravos ao Novo Mundo. É uma canção que intercala momentos de peso e velocidade com partes mais melódicas. No final das contas é uma canção imponente e forte.

Em “Missions” as viradas de bateria e os bumbos trazem a missão de estremecer os alicerces do ouvinte. Na letra a banda conta como as missões jesuíticas, de caráter civilizador e evangelizador conseguiram destruir a crença de nossos ancestrais indígenas (pelo menos os meus) em seus deuses míticos e ancestrais.

A “Uti Possidetis”, que tem seu título originário do latim e que significa "como possuís, assim possuais". Esse é um princípio do direito internacional, o qual versa sobre o fato de quem ocupa um território tem direito sobre ele. Em minha opinião é a faixa mais densa do disco no conceito lírico. Já seu instrumental é um pesadelo sonoro sem precedentes. E a música consegue passar muito bem todo esse pesadelo e o clima de terror que a musica pede. A letra é uma aula de história que está longe das carteiras escolares.

A música fala sobre as Guerras Garaníticas, um conflito que ocorreu após a assinatura de um tratado entre Portugal e Espanha no ano de 1750. O conflito envolveu tropas espanholas e portuguesas visando a transferência de tribos Guaranis da região do Rio Grande do Sul para a outra margem do Rio Uruguai.

Em 1753 e com a ajuda dos jesuítas, os índios bloquearam a demarcação das fronteiras. Isso fez com que as tropas colonizadoras iniciassem uma sangrenta retaliação que levou a morte cerca de 1200 índios. Esse conflito ficou conhecido como a Batalha de Caiboaté.

Fechando o EP a faixa “Tamuya”, que além de batizar o nome da banda, a música também cumpre muito bem o seu papel de fechar o CD em grande estilo. A letra é impecável. Contando a história da coalizão indígena liderada pela nação Tupinambá, aliada aos povos Guaianazes e Aimoré, que lutaram contra a escravidão portuguesa.

Tamuya ou Tamoios, que em Tupi significa “Avós” uma alusão por serem a tribo mais antiga a se instalar no litoral brasileiro. Essas tribos viviam em uma faixa de terra que ocupavam um trecho continental da América do Sul que começava no Uruguai e se estendia até o Pará.
Estima-se que viviam nessas terras mais de 70 mil índios. Eles foram a única e mais forte resistência organizada contra a sangrenta colonização portuguesa.

Minha impressão final sobre o trabalho da TTT não podia ser diferente: fã. Não tem como não ficar preso não somente a sonoridade do grupo, mas também as letras que são sensacionais.

E não deixem de conferir o clipe que a banda fez para “Immortal King”, faixa de abertura desse trabalho.

A produção do EP está muito boa e deixou os instrumentos limpos e audíveis. Todos os músicos são ótimos e as composições são impecáveis. Quem puder adquirir o material da banda fará um ótimo negócio. Vale e muito ter em mãos o trabalho desses caras!

Já passou e muito da hora de algum selo/gravadora olhar com mais atenção para o Tamuya Thrash Tribe e dar a oportunidade para a banda gravar um álbum completo e ajuda-los a divulgar um trabalho tão bom como esse. E assim atingir uma gama bem maior de público.





Conteúdo Relacionados

Em Foco
Discografia Comentada
Shows
Long Live NWOBHM
Entrevistas


ULA
Metal Zone - Revista Digital especializada em Rock, Heavy Metal e suas vertentes, Tecnologia, Quadrinhos, HQ, Literatura, entre outros assuntos.
Jornalista Respons?vel: Filipe Souza - MTB: 32471/RJ
© 2000 - 2018
Somos Sociáveis :)
  • Myspace
  • Facebook
  • orkut
  • Last FM
  • Twitter
  • You Tube
Desenvolvido pela Art Com Texto - Comunicação & Design